Review | Suburbicon: Bem-Vindos ao Paraíso

O produtor George Clooney (Tudo pelo Poder) assume a direção nesta história que tem a cara dos irmãos Coen (Fargo – Uma Comédia de Erros). Claro, o roteiro foi escrito em parceria com eles e, conforme a trama se desenvolve, notamos diversos elementos característicos dos irmãos.

Suburbicon: Bem-Vindos ao Paraíso tem duas frentes, a princípio a história foca na chegada de uma família negra a Suburbicon – apresentada numa abertura hilária – e todo o rebuliço que eles causam na vizinhança, porém toda essa “capa” é despida na primeira noite em que somos apresentados à família Lodge, do casal vivido por Matt Damon (Bravura Indômita) e Juliane Moore (O Grande Lebowski). A partir daí, o tragicômico assume os rumos do filme e somos envoltos numa trama de mistério, crimes e consequências absurdas.

O estilo que Clooney utiliza em sua direção lembra bastante o dos irmãos Coen, desde os movimentos sutis de câmera, os enquadramentos que focam em sombras e outros elementos em cena, a trilha sonora que aumenta o suspense e os personagens que parecem saídos de filmes policiais dos anos 40 – o personagem de Oscar Isaac (Inside Llewyn Davis – Balada de Um Homem Comum) é ótimo – tudo em sintonia e ainda com um elemento que traz o tom de crítica à sociedade norte-americana supremacista e racista dos anos 50 (e da atualidade também).

Clooney, depois de dirigir o exageradamente caricato Caçadores de Obras-Primas, aqui, dada a parceria com os Coen, utiliza esse tom caricato muitíssimo bem, mesmo que algumas vezes a história se apresente com uma ideia já batida (até mesmo pelos Coen).