Nostalgia | Os 15 Anos de Smallville

No dia 16 de outubro de 2001 estreava na emissora The WB (hoje CW) uma série que tinha como premissa mostrar a juventude de um dos maiores super-heróis dos quadrinhos e da cultura pop, o Superman. Surgia então Smallville, criada por Alfred Gough e Miles Millar, baseada nos personagens de Jerry Siegel e Joe Shuster publicados pela DC Comics.

Os primeiros anos de Smallville

Levar as histórias do Superman para a telinha não era novidade. A ideia central de Smallville se diferenciaria de outras produções, pois mostraria a vida de Clark Kent (Tom Welling) durante os anos antes dele se tornar super-herói. A série começa quando Jonathan (John Schneider) e Martha Kent (Annette O’Toole) presenciam uma chuva de meteoros, a queda de uma nave e a descoberta de um garoto, que com o passar do tempo vai descobrindo que não é igual aos outros. Estes eventos seriam o início da busca de Clark para descobrir suas origens e assumir aos pouco a função de salvador da humanidade.

Nos primeiros anos da série, vemos Clark Kent como um adolescente atrapalhado, em período escolar, tendo que lidar com os casos típicos da juventude. Entre romances: Lana Lang (Kristin Kreuk) surge como sua primeira investida amorosa. Bullying: sendo clássica a cena de Clark amarrado no milharal. Amizades: Chloe Sullivan (Allison Mack, irritante no começo, mas depois se tornando uma das personagens mais queridas da série e grande companheira de Clark), Pete Ross (Sam Jones III) e Lex Luthor (Michael Rosenbaum).

O mais curioso e interessante da série foi justamente acompanhar a improvável amizade entre Clark e Lex. Tendo consciência de que todo ser humano sabe que Lex e Superman são inimigos mortais, a série aproveitou esse gancho para criar uma relação de amizade entre ambos, que ganhava aos poucos contornos de desconfiança, à medida que o interesse de Lex pelo amigo crescia. Foram episódios e mais episódios brincando com o telespectador, com Lex batalhando para descobrir a verdade por detrás do amigo, ao ponto de o pai de Lex, Lionel (John Glover) ser encarado como o verdadeiro vilão da série. Mas o jogo de gato e rato culmina na guerra inevitável entre eles e uma das maiores rivalidades da cultura pop começa a ganhar forma.

À medida que as temporadas foram passando, Clark foi crescendo, foi descobrindo seus poderes e as consequências de seus atos e sua importância neste planeta. Se os poderes foram aumentando, os inimigos também surgiram em escalas cada vez maiores, oportunidade perfeita para que uma porção de referências ao universo dos quadrinhos fosse inserida. Sobraram também diversas participações especiais, sendo a de Christopher Reeve (o primeiro Superman nos cinemas) a mais marcante delas.

Elementos conhecidos da história do Homem de Aço foram mostrados, entre eles o Planeta Diário, a Fortaleza da Solidão, Krypton, e é claro, Lois Lane (Erica Durance). Impossível não se divertir com as confusões que a intrometida repórter se metia e torcer por seu romance com Clark. Até a Liga da Justiça, hoje em alta nos cinemas, teve uma versão juvenil mostrada na série.

Eis a versão juvenil da Liga da Justiça

É claro que uma série que durou dez temporadas enfrentou dificuldades. Manter o interesse do público é difícil, exigindo malabarismo dos roteiristas. Quanto maior o número de temporadas, e mesmo com tanto material disponível, fica difícil é manter a premissa da série, mas não existiu nenhuma temporada insatisfatória. Ficar tanto tempo comprometido num trabalho também exige uma dedicação do elenco, sendo que muitos deles abandonaram a produção no decorrer dos anos. Mas a duração da série serviu para que um universo fosse criado e estabelecido. O Superman conseguiu com Smallville ganhar profundidade e importância, sendo humanizado, e porque não deixar claro que séries de super-heróis podem dar certo. Smallville de certa forma abriu caminho para diversas produções que hoje invadem a televisão, como por exemplo, Flash, Arrow e Supergirl. O que se manteve intocável mesmo em todas as temporadas foi a onipresente música-tema do seriado, Save Me, da banda Remy Zero.

Nunca pensei que uma chamada de um novo programa do SBT pudesse mexer tanto comigo e me fazer colar em frente da TV todo domingo ao meio-dia à espera de um novo episódio. Destaca-se a fidelidade com que o SBT transmitiu a série em seus anos iniciais e depois mesmo com as alterações de dias e horários, conseguiu exibir todas as temporadas, dando a oportunidade de várias pessoas conhecerem e assistirem ao programa. A série também foi destaque na programação da Warner Channel.

Existem séries que marcam as pessoas, Smallville me marcou por apresentar uma nova versão do meu herói favorito, e em momento algum senti falta de ver Clark Kent vestindo o famoso uniforme do Superman, essa não era a intenção da série, isso se realizou sozinho em minha imaginação.